De velhas raizes minhas,

umas vivas, outras mortas,

retirei ervas daninhas

p’ra poder abrir mais portas.

Outros blogues:
http://www.worldartfriends.com/pt/users/maria-letra
http://www.recantodasletras.com.br/escrivaninha/

quinta-feira, 28 de abril de 2011

CAI CHUVA EM MIM


Cai chuva miúda,
que atropela
a graúda
que fica nas nuvens,
esperando cair.
Vem suave,
mansinha,
com ar de santinha
mas vem p’ra ferir.
me enlaço
num laço,
em jeito de abraço,
em jeito de amar.
Me giro,
me viro,
e fico suspensa,
com a chuva a cansar.
Traz sabor de fel,
disfarçado de mel,
e quando desperto,
não há céu aberto,
há nuvem cinzenta.
A chuva graúda,
que já não desgruda,
cai forte, não lenta.
Então, recomeço
de novo e tropeço
tanto, que me esqueço
da chuva miúda
Que nem me saúda.

Maria Letra
Abril de 2011

A CHUVA foi tema de 2 poemas deliciosos escritos por Tânia Orsi Vargas e Lázara Papandrea, duas autoras de textos de grande valor literário, cuja interpretação, embora nem sempre fácil, é do melhor que tenho lido. Inspirando-me naquele tema compus, num estilo bem diferente, o poema “Cai Chuva em Mim”.


Enviar um comentário