De velhas raizes minhas,

umas vivas, outras mortas,

retirei ervas daninhas

p’ra poder abrir mais portas.

Outros blogues:
http://www.worldartfriends.com/pt/users/maria-letra
http://www.recantodasletras.com.br/escrivaninha/

sábado, 23 de abril de 2011

ALELUIA SUFOCADO


Sinto ganas de gritar,
Aleluia! Aleluia!
Mas essa palavra mágica
que a tantos ouço dizer,
é um tanto ou quanto trágica …,
dita nos tempos que correm,
sabendo nós o sofrer
de tantas almas que morrem,
por não terem que comer.
Já sem forças p’ra viver,
deixam o mundo onde tantos,
enfartados com manjares
que não querem dividir,
agradecem aos seus santos,
por não terem os azares
desses seres a sucumbir.
Torturam a minha mente
Aleluias sufocados,
estrangulados, abafados
numa Páscoa indiferente
a todo este mundo cão
que, de forma inconsequente,
a esses só grita um NÃO!
Quanto a direitos comuns,
não têm direito a nada!
São regalias p’ra uns
e p’ra outros …, fome honrada!
E quando a morte os visita
até dessa se faz honras,
por terem tido a desdita
de partir, meu Santo Deus!
Pensemos em quanta arte
morre no último adeus
de tanta alma, que parte,
a quem só nesse momento,
seu saber passa a Valer.
Me quedo no pensamento
desta frase de respeito:
Tinham direito a VIVER!

Maria Letra
2011-04-08
Enviar um comentário