De velhas raizes minhas,

umas vivas, outras mortas,

retirei ervas daninhas

p’ra poder abrir mais portas.

Outros blogues:
http://www.worldartfriends.com/pt/users/maria-letra
http://www.recantodasletras.com.br/escrivaninha/

sábado, 16 de abril de 2011

A VINTE E TRÊS DE OUTUBRO

James Ussher  defendeu,
Que às 9horas, deste dia*,
A Terra, p’ra nós, nascia
Tal como tu, filho meu!
Nasceste em dia de luz,
Em dia de muita dor
E, como um anjo, um amor,
Que minha alma seduz,
Serias tu minha sorte,
Se sorte pudesse ter …,
Mas minha alma, a sofrer,
Estava perdida,  sem norte.
E,  num grande pandemónio
De buscas, de muitas buscas,
Em listas muito patuscas …,
Foi escolhido o nome António
P’ra  acompanhar o Miguel,
Pois era  o nome ideal,
Por comum, em Portugal.
És docinho como o mel!
No teu corpo, tão pequeno,
Tens uma alma de artista,
Que tudo o que quer, conquista,
Basta que estejas sereno!


Maria Letra
Outubro de 1972

* a data e a hora da criação da Terra,  na noite anterior a domingo, 23 outubro 4004, a.c.
Enviar um comentário