De velhas raizes minhas,

umas vivas, outras mortas,

retirei ervas daninhas

p’ra poder abrir mais portas.

Outros blogues:
http://www.worldartfriends.com/pt/users/maria-letra
http://www.recantodasletras.com.br/escrivaninha/

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

CONCEITOS DE RAPINA




CONCEITOS DE RAPINA

Estranho costume o daqueles
que fazem do “meu”, “seu”, também.
Sem respeito e sem pudor,
vão aumentando o que é “deles”,
da forma que lhes convém.
Para eles, sem excepções,
esta é a vida melhor
e, nesta luta de bens,
a ambição dos ladrões,
vai de mal a muito pior.

Há três tipos de rapina,
que o rapinador consome:
por cleptomania,
porque já nasceu sovina,
ou por estar cheio de fome.
Por doença, há que curá-la
com um método eficaz;
por ganância, há que vencê-la;
pela fome, há que matá-la,
porque senão..., não há Paz.

À mistura com rapina,
há mais formas de conduta,
que incomodam muita gente,
que se exalta e se amofina
fazendo-a partir p’rá luta
pois, nesta guerra, infernal,
há que pegar-lhe pela ponta,
começando pelo imbecil
que, indiferente à moral,
alimenta o “faz de conta”.

Com discursos de fachada,
sem nada a ver com o que sentem,
deixam muitos convencidos
que a razão, arquitectada,
está do lado dos que mentem.
Mas há outros, aos milhões,
que querem fazer um cerco
a esta corja de ladrões,
que cresce, dia após dia.
Daí, termos tanto esterco.

Maria Letra
08/08/2009 
Enviar um comentário