De velhas raizes minhas,

umas vivas, outras mortas,

retirei ervas daninhas

p’ra poder abrir mais portas.

Outros blogues:
http://www.worldartfriends.com/pt/users/maria-letra
http://www.recantodasletras.com.br/escrivaninha/

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

A CORRIDA DO TEMPO

A CORRIDA DO TEMPO

- Mais um Natal se aproxima,
  Como o tempo foi veloz!   
diz a criança que cresce  
aos seus já velhos avós,  
de quem ela subestima  
um sentir muito diferente:  
O tempo p’ra eles, decresce,  
cada dia é um presente.    

É que a criança que sente  
a sensação de corrida     
dum tempo a passar voando, 
vive feliz sua vida.
Ocupa o tempo presente  
com muita coisa que faz,  
mas o tempo vai passando 
sem voltar nunca p’ra trás.

Para quem já muitos anos
conta no seu caminhar
por este mundo que ama,
é comum o tolerar
defeitos sem muitos danos
e males com pouca virtude, 
porque o que espera, ou clama, 
não será mais que saúde.

Maria Letra
Dezembro de 2011

Enviar um comentário