De velhas raizes minhas,

umas vivas, outras mortas,

retirei ervas daninhas

p’ra poder abrir mais portas.

Outros blogues:
http://www.worldartfriends.com/pt/users/maria-letra
http://www.recantodasletras.com.br/escrivaninha/

terça-feira, 20 de março de 2012

A FOME E A FARTURA

Perguntaram à fartura
quem foi que a trouxe ao mundo;
respondeu, toda ternura,
- Foi um ser muito fecundo.

- Gostava de ser seu filho...
- comentou quem perguntou -
Estou metido num sarilho!
Não sei quem me atraiçoou.

Perdi tudo, tenho fome,
não sei mais o que fazer.
Meu nada ter me consome,
sou pobre até no viver.

A fartura, muito cheia,
retorquiu-lhe com afecto:
- Não tens nenhum “pé de meia”?
Viraste um ser abjecto!

Pede emprego no governo...,
vais ver o que é viver bem.
Deixas de estar nesse inferno,
vais viver para Belém.

Estarás à grande, à francesa,
numa casa apalaçada.
Terás sempre cheia a mesa,
e toda a roupa lavada!

Maria Letra

20/03/2012

Enviar um comentário