De velhas raizes minhas,

umas vivas, outras mortas,

retirei ervas daninhas

p’ra poder abrir mais portas.


sábado, 17 de março de 2012

SOU NUVEM QUE PASSA

2 comentários:

Unknown disse...

Belíssimo, Mizita, parabéns!

Beijinho,
Ana Martins

Ives disse...

Linda poesia, e que venham sempre as nuvens passageiras, abraços