De velhas raizes minhas,

umas vivas, outras mortas,

retirei ervas daninhas

p’ra poder abrir mais portas.


sábado, 12 de dezembro de 2009

REVOLUÇÃO

Revolução!
Mas o que é revolução?
É passares o tempo
de jornal na mão,
condenares partidos,
criares confusão?
É chamares aos outros
nomes, sem perdão?
É clamares por algo
que tu não criaste,
não sentires teu erro,
não veres que falhaste?
Não!
Revolução...
é pores no que fazes
o teu coração,
destruires o mal,
dares nova razão
à existência humana,
sem ódio ou aversão.
Revolução...
...é amares os outros.
Sentires bem as dores
daqueles que anseiam
condições melhores.
Revolução,
é tu combateres
toda a exploração,
dares realidade
à palavra "irmão".
É criares um mundo
sem desunião.
Revolução,
é não permitires
qualquer distinção
entre ti e ele.
Sim, irmão,
Revolução
é abrires caminhos
para a Paz no mundo.
Não a falsa paz
feita de acordos,
mas a Paz de Espírito,
sem ver caír corpos
nessas guerras frias,
vãs, cruéis ...
não fazendo mais
do que assinar papéis.
Revolução,
é fazeres o bem,
é reinvindicares
uma condição:
a de haver AMOR
na tua nação,
em troca de tudo
o que possas dar
p'ra nunca matares.
Depois...
conservares o bem
de poderes sentir
que, com a tua força,
fizeste emergir
uma nova vida
em todos os seres.
Amares com carinho,
sem nada pedires.
Dares, sem receberes.
Verás que isso é Vida!
Amarás, então,
SER REVOLUÇÃO!!!

Maria Letra
Junho de 1975

Sem comentários: