De velhas raizes minhas,

umas vivas, outras mortas,

retirei ervas daninhas

p’ra poder abrir mais portas.

Outros blogues:
http://www.worldartfriends.com/pt/users/maria-letra
http://www.recantodasletras.com.br/escrivaninha/

terça-feira, 2 de novembro de 2010

QUANDO, UM DIA , FÔR VELHINHA ...

Quando, um dia, fôr velhinha,
Eu quero ser muito doce,
Muito afável e meiguinha,
Amada, como se fosse,
A criança que enternece,
Que nos inspira sorrisos
E que a memória não esquece.
E podem crer, meus amigos,
Eu quero ler os meus contos
A todos os meus bisnetos,
Que vão ficar todos tontos,
Enquanto, muito quietos,
Ouvem todas as histórias
De fadas, reis e batalhas,
Derrotas, lutas, vitórias
E castelos com muralhas.
Vou acumulando contos
Para, em livros, publicar
E, quando estiverem prontos,
Já poderei descansar,
Ou, quem sabe, até morrer,
Porque deixo cá ficar,
Muita coisinha p’ra ler.
Maria Letra
01-11-2010

15 comentários:

Chica disse...

Acredito que terão muita coisa linda pra ler e tomara demore muiiiiiiito e que por enquanto possas tu mesma escrever e ler para eles...

beijos,chica

Maria Letra disse...

Obrigada pela visita e pelos desejos, Chica, os quais te retribuo .
Beijinhos.

Tite disse...

Amiga,

Gostei de te imaginar velhinha ainda mais doce do que já és ou antes... um autêntico favo de mel.

Parabéns amiga pela doçura que transborda dos teus poemas para netos e Avós como eu.

Beijosssss

Maria Letra disse...

Mas eu já estou velhinha, Tite. Isto é tudo 'fita'! O que estou é longe dos netos, daí eu esperar estar viva para contar aos bisnetos. A neta mais velha é a Filipa, por isso, para ser bisavó ..., não faltará muitos anos. Só espero é que não seja tão cedo. Livra!
Um abraço, amiga.

Ives disse...

Olá lindo blog, muita poesia hein, já te sigo, os nossos escritos são fontes da nossa alma, abraços

Rafeiro Perfumado disse...

Muito doce não convém. É que se prevê escassez de comida no mundo, e ainda se metem com ideias...

Maria Letra disse...

Obrigada Ives. Esperemos a fonte não esgote porque, escrever, faz-me, realmente, muito bem.

Maria Letra disse...

Na minha opinião, a escassez não se prevê venha a existir, Rafeiro Perfumado. Ela já está instalada, como sabe muito bem, exactamente porque alguns comem demais.
Obrigada pela visita.

Silenciosamente ouvindo... disse...

Não está nada velhinha, apenas
estamos mais conscientes do que
é viver.
Gostei da sua visita.
Desejo que tudo esteja bem consigo.
Bj/Irene

Maria Letra disse...

Olá Irene. Obrigada, também, pela sua visita e comentário respectivo.
O tema "estar ou não estar vélhinha" tem muito que se lhe diga. Basicamente eu acho que estar velhinha é sentir que as forças se perderam e a mente já acusa certas falhas. Ainda não estou nessa. De qualquer forma, para lá irei se, entretanto, não tiver algum precalço ... Espero bem que não, pois adoro viver.

Adelaide disse...

Querida Mizita,

Vou mandar um recadinho ao Altíssimo pedindo que não te leve. Tens muitos poemas belos para nos encantar, e se te vais, ficamos todos a chorar...

Bjs
Milai

Pedrasnuas disse...

UMA AVÓ INESQUECÍVEL...E QUE AINDA É MUITO JOVEM E TEM MUITO QUE ESCREVER...

BEIJO

Maria Letra disse...

Que comentário tão bonito! Quem me dera que fosse assim ...
Obrigada.
Beijinho.

Manuela Araújo disse...

Adorei o seu poema :)
Beijinhos

Maria Letra disse...

Obrigada, Manuela. Fico feliz quando os outros gostam.
Beijinhos :)