De velhas raizes minhas,

umas vivas, outras mortas,

retirei ervas daninhas

p’ra poder abrir mais portas.

Outros blogues:
http://www.worldartfriends.com/pt/users/maria-letra
http://www.recantodasletras.com.br/escrivaninha/

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

QUANDO A GARGANTA SE CALA E A IMAGEM TE FALA ...

Quando a garganta se cala
E a imagem te fala …,
Quando, no silêncio impera,
Dentro de ti, uma fera …,
Quando, cansado da vida,
Anseias a despedida …,
Não deixes que te governe
O ódio, esse germe
Capaz de destruir,
O que deve florir.
Deixa que a onda,
Envergonhada se esconda
No teu coração, que bate,
Até que o amor a mate.
Verás nascer novos dias
Que, de cego, tu não vias.
Não esqueças que há crianças,
Que precisam de mudanças
Feitas de paz, de querer,
Para poderem crescer.
Um crescer em que o amor,
Encha este mundo de cor.

Maria Letra
29-10-2010
Enviar um comentário