De velhas raizes minhas,

umas vivas, outras mortas,

retirei ervas daninhas

p’ra poder abrir mais portas.

Outros blogues:
http://www.worldartfriends.com/pt/users/maria-letra
http://www.recantodasletras.com.br/escrivaninha/

terça-feira, 9 de novembro de 2010

CONTRATO DE AMOR


 CONTRATO DE AMOR
  
No teu sorriso bonito,
duma calma contagiante,
vejo um amor infinito
e uma gratidão constante
por tudo aquilo que fiz
p'ra transformar minha vida
num Presente mais feliz,
e numa paz mais sentida.

Dum modo bem diferente
de como foi, no Passado,
meu coração, docemente,
vai aceitando, moldado,
a tua dedicação
em dares uma nova forma
à minha contradição
de rejeitar toda a norma.

Duas regras principais
que tu me fazes seguir:
- Não dever pensar demais,
- Nem deixar de te sorrir.
Propuseste e aceitei
- p'ra aliviar minha dor -
olhares por mim. Eu gostei.
Em troca, deste-me amor.

Maria Letra
Londres
2008-10-05
Enviar um comentário