De velhas raizes minhas,

umas vivas, outras mortas,

retirei ervas daninhas

p’ra poder abrir mais portas.


sábado, 16 de abril de 2011

MILHAFRES PAIRAM NO AR

MILHAFRES PAIRAM NO AR

Num cenário de tristezas,
milhafres pairam no ar.
Estão à espera de mais presas
e da hora de atacar.
São vampiros, são corujas,
disfarçados de cordeiros,
e nas suas mentes sujas,
trazem golpes traiçoeiros.
O Sol escondeu-se com medo.
Há nuvens negras no céu.
Ouve-se o som dum torpedo,
começa a guerra, Deus meu!
         ……………………………
Foram anos de tormento,
milhares de corpos caídos,
milhares de grandes tormentos,
e muitos sonhos traídos.
          …………………………..
Um mundo novo, surgiu,
das trevas daquele drama.
Alguns..., a guerra os sumiu,
outros há, ganharam fama.
E neste novo cenário,
há de novo muitas dores,
num confuso calendário,
a preto e branco. Sem cores.
O rico, rico ficou,
o pobre, mais pobre ainda,
e a ambição continuou
nesta guerra que não finda.

Maria Letra
2011-03-28

2 comentários:

Tite disse...

Amiga,

Acho até que o Homem ganha mais com a Guerra do que com a Paz.

PS - quando digo Homem refiro-me à humanidade gananciosa, cega e sem coração.

Jokas grandes

Maria Letra disse...

Eu percebi, amiga Tite. Interpreto sempre o que aqui chega de acordo com o meu conhecimento de quem o escreve.
Obrigada pela visita.
Jocas grandes e BOA PÁSCOA!