De velhas raizes minhas,

umas vivas, outras mortas,

retirei ervas daninhas

p’ra poder abrir mais portas.

Outros blogues:
http://www.worldartfriends.com/pt/users/maria-letra
http://www.recantodasletras.com.br/escrivaninha/

domingo, 30 de janeiro de 2011

$$$ OS TRUTAS $$$



$$$ OS TRUTAS €€€

Uma grande construção.
Planos, ordens, acção.
Máquinas, computadores,
engenheiros, directores,
organigramas, projectos,
papeladas, objectos.
Chefes, administradores,
supervisores, consultores.
Conselheiros e gerentes,
acessores e presidentes.
Calculadoras, gânâncias,
somam grandes importâncias.
Cada cabeça, um saber,
todas juntas, um querer:
trabalhar p'ra que este "todo"
não se afunde no seu lodo.
E, neste "rico" cenário,
também está o operário,
mas esse ..., pobre coitado ...,
conta só pelo seu corpo,
de tanta dor, quase torto.
E ... se a crise vem, à cautela,
pagam todos por tabela!
Para manter benefícios
não se poupa sacrifícios.
Os "trutas" não querem ver
os seus lucros a descer,
então ... há que despedir!
Antes tombar, que caír.
Alerta, portanto, amigo!
Os "quadros" não estão contigo.
Para salvar sua pele,
fazem o feio papel
de estar do lado dos "trutas"
e começam as escutas,
p'ra ver quem está a traír
o sistema e despedir,
com justa causa, montada,
quem, às tantas, não fez nada.

Que mundo de preversão,
sem amor, sem coração.

Maria Letra
25 de Abril de 1984
Enviar um comentário