De velhas raizes minhas,

umas vivas, outras mortas,

retirei ervas daninhas

p’ra poder abrir mais portas.

Outros blogues:
http://www.worldartfriends.com/pt/users/maria-letra
http://www.recantodasletras.com.br/escrivaninha/

quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

CASAMENTO




Casamento ...
Príncipio fatal
de fidelidade à lei.
Compromissso social
e burocrático,
aristocrático ou não,
(não sei ... ),
duma "ela"
um "ele" servir,
respeitando-o até à morte
e ao que daí advir ...
É tudo uma questão de sorte ...,
mas, traduz,
uma situação que vai muito mal.
Conduz
ao "status" casado,
ou, sem aparente distinção,
casada.
Acto já menos usado,
mas cuja alteração,
continua estagnada.
Isto porque
confiança um no outro,
não existe talvez.
E ... com o coração
cheio de esperança
e querer,
liberdade ... era uma vez.
Duas assinaturas,
feitas num livro especial
e as intenções mais puras
(ou não, não faz mal),
registam o compromisso,
perante quem de direito,
de pagar,
com efeito,
(para além de tudo mais ...),
uma fortuna sem fim,
em caso de separação,
a qual um lado diz "sim"
e o outro lado diz "não".
Uma comum realidade
que pode acontecer aos dois:
a infedilidade.
sobretudo a do homem,
pois ...,
já minha Mãe me dizia,
com sofrimento,
pesar
e declarada ironia
(que eu sentia disfarçar):
-"O marido,
por ser macho,
pode ter sete mulheres,
enquanto a esposa,
fiel,
desempenha o seu papel"...

                             Não importa o que tu sintas,
                             o que importa é que consintas!



Maria Letra
Londres, 28-03-1985
Enviar um comentário