De velhas raizes minhas,

umas vivas, outras mortas,

retirei ervas daninhas

p’ra poder abrir mais portas.


quinta-feira, 25 de junho de 2015

A MALDADE NÃO MATA


Sem comentários: