De velhas raizes minhas,

umas vivas, outras mortas,

retirei ervas daninhas

p’ra poder abrir mais portas.

Outros blogues:
http://www.worldartfriends.com/pt/users/maria-letra
http://www.recantodasletras.com.br/escrivaninha/

terça-feira, 7 de maio de 2013

OBRIGADA, MÃE!





Mãe, tu que me deste a Vida
para vivê-la em pleno,
na tua doce esperança
que o meu viver
fosse sereno.
Mãe, tu que me viste falhar
tantas vezes, apesar
dos teus avisos constantes.
Não te culpes de nada.
Já me esqueci
do quanto sofria dantes…
Estou curada.
Amar-te-ei sempre,
pelo teu Passado
e pelo teu Presente,
assim…, tal como és,
na tua bonita idade.
96 anos de luta feroz
contra as marés
nem sempre a teu favor…
Ó Mãe querida,
Um obrigada grande
e tanto AMOR!

Maria Letra
05-05-2013
Enviar um comentário