De velhas raizes minhas,

umas vivas, outras mortas,

retirei ervas daninhas

p’ra poder abrir mais portas.

Outros blogues:
http://www.worldartfriends.com/pt/users/maria-letra
http://www.recantodasletras.com.br/escrivaninha/

terça-feira, 16 de julho de 2013

RIMA CAÓTICA

Esta alma que me sente…,
já não colhe, nem acolhe,
palavras que, em minha mente,
se confundem,
ou se enlaçam,
se entrelaçam,
se atropelam,
se rebelam
e se fundem.
Se escondem dentro da rede
dum véu feito fantasia.
E nessa tremenda sede
que me anima,
ela se estende,
se distende
e se rasga
e se engasga
com a rima.
Ad hoc compilo versos
muito meus, muito simplórios,
focando temas diversos
os quais espero
construir
e colorir,
com palavras
aldrabadas,
que não quero…,
mas com esta mente, ausente,
que se recusa criar,
já não sai coisa de gente.

Maria Letra
2013-07-16
Imagem do blogue:
http://mitologiagrega14.blogspot.com
Enviar um comentário