De velhas raizes minhas,

umas vivas, outras mortas,

retirei ervas daninhas

p’ra poder abrir mais portas.

Outros blogues:
http://www.worldartfriends.com/pt/users/maria-letra
http://www.recantodasletras.com.br/escrivaninha/

segunda-feira, 14 de junho de 2010

MINHA VIDA JÁ SEM JEITO ...

Em cada lágrima minha,
Que, lentamente, caía,
Ouvia um grito de dor.
Na minh’angústia, sózinha,
O meu coração sentia,
A falta do teu amor.
Agora sim, eu sei bem,
Que não voltarás aqui.
Meus longos anos de espera
Terminaram. Sou alguém,
Que reza, agora, por ti.
Nada mais é, como era.

Dentro do meu coração
Deixaste-me, em testamento,
Um amor p’ra toda a vida.
Partiu contigo a paixão,
Ficou comigo, um lamento,
E uma memória sofrida.
Levaste parte de mim,
Mas parte de ti ficou ,
Bem guardada, no meu peito.
Deste-me um amor, sem fim,
Uma só coisa te dou:
Minha vida, já sem jeito.

Maria Letra
14 de Junho de 2010
Imagem da net

quinta-feira, 3 de junho de 2010

A CONTABILIDADE E A VIDA


Aqui, jaz
alguém que já nada faz,
nem, provavelmente,
fez alguma vez.
Na caixa que o encerra,
ficará até que a terra
o reduza à sua origem,
à sua expressão mais virgem.
Para ele,
o Deve e o Haver
já não têm Razão de ser.
Para muitos,
a Contabilidade
é uma necessidade,
uma afirmação
da sua situação
na vida.
O seu valor humano,
é directamente proporcional
ao valor
do seu Capital.
É um conceito desumano.
Mas é assim.
Contudo,
esse valor não é tudo.
É nada!
É a tua essência mascarada.
É um cálculo, errado,
que te fará passar
à categoria de depenado
se nada tiveres.
A vida tem um valor
de dimensão maior
e mais profunda,
nesta sociedade
moribunda.
Eu tento ignorar
estes valores mesquinhos,
em que abunda,
Perversidade,
Corrupção
e traição.
Vida ...
é um coração que bate,
que vibra,
que agita,
que sente
um amor ausente,
que jamais estará presente.
Eu sei onde está o valor
de cada um de nós,
mesmo sem Contabilidade:
está no amor,
pelos que sofrem.
Essa é que é a verdade!

Maria Letra
1986-Maio


Imagem da autoria de Miguel Letra