De velhas raizes minhas,

umas vivas, outras mortas,

retirei ervas daninhas

p’ra poder abrir mais portas.

Outros blogues:
http://www.worldartfriends.com/pt/users/maria-letra
http://www.recantodasletras.com.br/escrivaninha/

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

O XADREZ E A VIDA



Analizem comigo
A diferença existente
Entre um homem são
E um homem demente.
O primeiro, amigos,
Usando a cabeça,
Com astúcia e com saber,
Joga o xadrez da vida,
Lutando p'ra não perder
E olhando cada peça
Como um bem a preservar.
O segundo,
Alheio às regras do jogo,
Vai andando neste mundo,
Sem jogar.
Move as peças sem consciência,
Faz delas os seus brinquedos,
Sem técnicas
E sem segredos.
Vai usando-as
P'ra defesa, ou para ataque,
Deslocando-as sem pensar
No cheque-mate.
Jogo inocente,
Sem motivação,
Depende daqueles
A quem chamam de "irmão".
Não conhece o adversário.

Como seria bom
Se, com o homem demente,
Cada um jogasse
Em sentido contrário ...


Maria Letra
Londres, Abril 1985
Imagem Stockvault.net

Enviar um comentário