De velhas raizes minhas,

umas vivas, outras mortas,

retirei ervas daninhas

p’ra poder abrir mais portas.

Outros blogues:
http://www.worldartfriends.com/pt/users/maria-letra
http://www.recantodasletras.com.br/escrivaninha/

terça-feira, 30 de dezembro de 2014

SEM REGRESSO EXPRESSO


Num espaço...
muito para Além daqui,
há tréguas,
há paz,
há perdão.
Não há Vida,
nem há ambição.
Há uma nova Luz
que partiu dum corpo
morto;
um corpo que jaz,
na Terra,
a milhões de léguas
do invisível,
de um Além em Paz.
Um corpo que partiu
por uma razão
susceptível
de confusão:
uma presumível guerra
para ajuste de contas,
por vingança da Morte,
contra a Vida,
talvez para ver
qual é a mais forte.
Uma partida...
só com ida.
Sem regresso
expresso.
E o que fica
dessa suposta luta?
Uma revolta bruta
de quem amará sempre
quem partiu
e de quem já não amaria,
mas que a Morte...
NUNCA lhe desejaria.

Maria Letra
2014-12-26
Enviar um comentário