De velhas raizes minhas,

umas vivas, outras mortas,

retirei ervas daninhas

p’ra poder abrir mais portas.

Outros blogues:
http://www.worldartfriends.com/pt/users/maria-letra
http://www.recantodasletras.com.br/escrivaninha/

quarta-feira, 11 de maio de 2016

RETROSPECTIVA


Procuro na escrita o que não encontro em ninguém, mas já não sei se escrevo ou se me deixo mergulhar nas pausas que o tempo me vai dando. Vou-me desfolhando lentamente, contando, um a um, os Bem-me-Quer, Malmequer, da minha vida de Mulher. Oh! Como eu gostaria de prolongar a minha existência! Quantas histórias irei deixar, inacabadas, se me afogar num dos mergulhos que vou dando. Coragem e comunicação foram sempre as minhas armas de combate contra os ácidos da Vida. Não gosto da solidão. Umas vezes é flor, outras vezes um espinho, espetado no coração. Quando narro o que ficou escrito, nas palmas da minha mão, sinto o doce do mel, e o acre do limão. Quantas feridas se abriram em mim, sem um lamento meu e sem revolta. Foram muitas viagens que fizeram, de ida..., e de volta. Fui Mãe nas horas de ponta e madrasta vezes sem conta, quando aquilo que exigia, não se dissolvia nas águas em que me envolvia. Não! Não me tortura mais o Passado. Tortura-me o Presente. Esse sim, que é responsável pelo que sinto em mim. O meu corpo tem marcas, mas o meu espírito, não! Sou amor e desamor, numa mistura que dói, mas que não corrói a minha mente, porque a realidade não lho consente. Deslizo numa descida a pique, sem qualquer vontade, escorregando aqui ou ali, mas levantando-me sempre. Quero manter-me na vertical até que me chegue a desistência que aniquilará esta minha resistência. Não, eu não quero caminhar mais em chão de areia! Quero mergulhar em mares, como se fosse uma sereia.

Maria Letra
Co-autora do livro "Contos ao Vento" das Edições Vieira da Silva.

AMARE SENZA ESAGERARE



Mi piacerebbe capire per ché alcune persone con cui ci  incrociamo 
nella strada della nostra vita, ci lasciano una marca nel cuore, per sempre... 
Grazie, Carla Ghezzo!















Una frase, che ricordo,
l’ha ben scritta una signora
come titolo d’un suo libro:
“Va’ Dove Ti Porta il Cuore”!
Lei... è Susanna Tamaro,
che difende chi molto ama
e da questo ha tratto fama.

Amare..., Amare Solo tanto...
Una frase che io amo. Quanto!
Ma... rispetto le barriere,
fine a dove devo andare.
Delle volta, per un momento,
perdo l'orientamento
e mi fermo. Ho un sensore
che mi fa da controllore .

Noi amiamo tutta la vita
senza sapere spiegare
il vero senso dell’amore
e il vero senso di amare.
L'importante sarà, pertanto...,
- e di questo farne onore -
vivere amandoci tanto!

Maria Letra
2016-05-10


terça-feira, 10 de maio de 2016

GOSTO DE VOAR SOZINHA













Quando escrevo tenho asas,
o coração é meu guia.
Gosto de voar sozinha,
não quero ter companhia.
Sobrevoo mil montanhas
e mares fundos, com baleias.
Vejo formas lindas, estranhas,
que mais parecem sereias.
Na minha imaginação,
deslizam cores e corais.
Faço dela o meu guião
e dos versos, meus canais.

Através deles comunico
com aqueles a quem dedico
tudo o que escrevo em poemas.
Foi a forma que encontrei
para, do modo que eu sei,
exorcizar meus dilemas.

Maria Letra
2016-02-07

CARA WALLY

Sei sempre stata carina,
rispecchiando nel tuo sorriso,
e nel tuo viso,
la tua anima da bambina.
Ogni sogno un progetto.
In ogni incontro un affetto.
Sei sempre stata così...
Metti amore e arte
in tutto quanto fai.
Ma..., Wally, tu sai
che la vita tradisce
qualché volta,
e questo so che ti rivolta.
Ma non preoccuparti.
Avrai sempre gente ad amarti.
Te voglio tanto bene, amica mia.
Anche se nel futuro, quel che sia,
la vita ci separa,
avremo tanto da ricordare...
e pure da non dimenticare...

Maria Letra
2016-05-05